Por que Ela, de Spike Jonze, é um filme tão significativo para a nossa geração?

Por Alexandre Inagakisegunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

O ideal de todo cinéfilo deveria ser a oportunidade de assistir a um filme sabendo o menos possível a respeito de sua história. Página em branco, sem expectativas, mergulhando em uma trama e envolvendo-se com ela feito como uma criança que tateia objetos desconhecidos à sua volta, encantando-se com cada nova descoberta.

Este post não será uma resenha. Afinal, há dezenas de textos comentando a história do filme dirigido e roteirizado por Spike Jonze, com atuações de Joaquim Phoenix, Scarlett Johansson, Amy Adams, Rooney Mara e Olivia Wilde. Aqui, me limitarei a compartilhar algumas ideias, impressões e relações que fiz após ver uma obra repleta de entrelinhas para serem discutidas. E recomendo, aliás, que você só leia este post após ter visto Ela.

Continue Lendo

Um vídeo que mostra o que acontece quando estamos com a cabeça nas nuvens e levamos um golpe da vida

Por Alexandre Inagakisexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Eis a história: um grupo de paraquedistas levou uma câmera GoPro para filmar um salto. Ela caiu do avião. Oito meses depois, ela foi encontrada. Em um chiqueiro. O vídeo a seguir (e não deixe de assisti-lo até o final) mostra como foi essa queda.

Em pouco mais de uma semana, este improvável vídeo já chegou à marca de mais de 6 milhões de visualizações. Pisando fundo no acelerador rumo a uma viagem sem escalas direto para o mundo da maionese, este vídeo poderia ser uma boa metáfora do que acontece com alguns de nossos sonhos. Já tenho inclusive a sugestão de trilha sonora: “O Mundo é um Moinho”, de Cartola. Especialmente por conta destes versos:

Ouça-me bem, amor
Preste atenção, o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho
Vai reduzir as ilusões a pó
Preste atenção, querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás à beira do abismo
Abismo que cavaste com os teus pés

Há quem diga que este vídeo não passa de um viral para divulgar a resistência e durabilidade das câmeras GoPro. Bem, se isso for verdade, creio que minha interpretação sobre sua mensagem metafórica faria ainda mais sentido. Continue Lendo

Sobre vida universitária, livros e machados

Por Publieditorialquinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Não é fácil a vida universitária. Afinal de contas, nem tudo são festas, paqueras e liberdade. Quem saiu da casa dos pais e aprendeu a se virar sozinho numa quitinete ou república sabe muito bem disso, recordando de dias e noites comendo miojo e empilhando pratos sujos na pia. Isto se aplica também a todos que já passaram noites insones por conta de uma monografia ou o TCC, tomando café com Coca e tendo pesadelos com normas técnicas e leituras atrasadas. A volta às aulas traz outra preocupação na nada mole vida de um estudante: a grana que precisará gastar com todos os livros exigidos durante o semestre.

Eu, que durante a minha vida acadêmica cursei quatro faculdades (Administração, Letras, Cinema e Jornalismo), para no fim acabar trabalhando com publicidade, enchi várias estantes com os livros que acabei comprando. Muitos deles ainda me acompanham, como fontes de consulta às quais recorro frequentemente. Algumas das obras que permanecem comigo desde a época em que cursei Jornalismo são A Regra do Jogo, de Cláudio Abramo, A Sociedade do Espetáculo, de Guy Debord, e Ética na Comunicação, do meu ex-professor Clóvis de Barros Filho. Já outros títulos foram parar em sebos, e é pena que na época em que me desvencilhei desses exemplares ainda não havia a Estante Virtual, site que reúne sebos de todo o país, e através do qual você pode comprar e vender livros usando PayPal.

Na Estante Virtual você encontra todos os livros para o seu curso com até 95% de economia em relação às livrarias convencionais. Continue Lendo

Você se lembra de quando tomou banho de chuva pela primeira vez?

Por Alexandre Inagakiquinta-feira, 06 de fevereiro de 2014

O calor que tem feito no Brasil nas últimas semanas quase faz com que eu tenha vontade de ir a uma balada, levar o golpe do boa noite cinderela e descobrir no dia seguinte que roubaram um de meus rins, só para que eu possa acordar em uma banheira cheia de gelo. Mas enfim, o fato é que dias como estes fazem com que a gente aprenda a valorizar o pequeno grande prazer que é poder tomar um banho de chuva sem se importar com a roupa molhada, entrando em contato com a natureza e deixando de lado convenções sociais que acabam oprimindo a gente feito um nó de gravata apertado.

Kayden_Rain2

Um vídeo que se popularizou na internet nos últimos dias mostra a primeira vez em que Kayden, uma garotinha de 1 ano e 3 meses de idade, se deleita com uma chuva. Ela sorri, estende os braços, corre pra lá e pra cá e se encanta com este fenômeno da natureza que hoje em dia recebemos com pensamentos rabugentos de quem já imagina ruas entupidas de engarrafamentos. Se você ainda não viu Kaiden sentindo a chuva pela primeira vez, assista ao vídeo a seguir (e não duvido que alguma gota de chuva respingue em seus olhos enquanto você o assistir). Continue Lendo

Uma moeda por seu vazio

Por Nathalie Trutmannsegunda-feira, 03 de fevereiro de 2014

O meu vazio costuma ser bem grande, escuro e bastante imprevisível.

O trabalho do artista não é sucumbir ao desespero, mas encontrar um antídoto para o vazio da existência. (Woody Allen)

Ele tem um senso de humor estranho e normalmente escolhe me surpreender quando menos imagino. Até pode chegar a dar sinais de aviso prévio (o volume e quantidade das minhas preocupações ou tarefas aumentam repentinamente), mas na maioria das vezes me pega desprevenida, bem na sequência de alguma coisa que eu considerava boa, como alguma conquista – aliás, quase sempre aparece depois de alguma conquista – como se ele esperasse esses momentos de vitória, quando estou me sentindo bem no topo do mundo, para me puxar de volta ao chão e me lembrar que, por mais alto que consiga voar e por mais coisa que consiga conquistar, nada conseguirá me tirar da minha frágil e irremediável condição de ser humano.

Nesses momentos, meu mundinho egocêntrico se desmorona como um bolo mal feito. Continue Lendo

Cinco resoluções de ano novo que deveriam viralizar em 2014

Por Ana Carolina Morenoterça-feira, 28 de janeiro de 2014

O fim do primeiro mês do ano é um bom termômetro do que vamos viver até o fim do último mês? Não sei, talvez ele valha como um primeiro balanço daquela noite mágica em que você prometeu ser uma pessoa melhor e mais feliz. Caso você já tenha esquecido (ou quebrado) suas resoluções na Virada, sinta-se à vontade para adotar uma (ou todas) dessas resoluções de ano novo que deveriam viralizar em 2014 e enquanto existirem computadores pelo mundo ligados em rede:

1) Não dar confete pra toda e qualquer polêmica boba

A mina de ouro dos blogueiros, comentaristas, colunistas e exibicionistas medíocres é a polêmica. O público-alvo da polêmica vazia parece mais rentável que o da Black Friday. Milhares de pessoas passam os dias em seus perfis compartilhando links para textos ou vídeos com alguma opinião inflamatória, escrevendo extensos editoriais contra essa opinião, debatendo nos comentários com amigos, inimigos, desafetos e até completos desconhecidos para extravazar toda a sua indignação contra… Contra o quê, mesmo?

Algum molequinho de 12 anos que posta um vídeo sobre que tipo de mulher é pra casar? Alguma namoradazinha de um babaquinha que o traiu com o professor com gosto duvidável de vinho e foi flagrada? Uma blogueira praticamente anônima que leva a babá nas viagens? Algum colunistazinho até ontem completamente desconhecido que joga frases clichês agressivas contra os adversários ideológicos e agora, graças aos viciados em indignação, já é mais famoso que o rei da polêmica partidária? Continue Lendo

Dez curiosidades sobre o Orkut nos 10 anos daquele que foi o maior site do Brasil

Por Alexandre Inagakiquinta-feira, 23 de janeiro de 2014

1. A última vez em que o Google comemorou oficialmente o aniversário do Orkut foi através de um post publicado em 24 de janeiro de 2012. Depois disso, o blog oficial do Orkut deixou de ser atualizado em outubro de 2012, e o blog do Google Brasil simplesmente ignorou a data em 2013. Pena: o Orkut foi esquecido de vez pela empresa que o criou. A captura de tela a seguir mostra o último bolo de aniversário criado especialmente para a rede social que, de 2004 a 2011, foi o maior site do Brasil (além de ter sido 90% bacana, 70% sexy e 80% confiável).

Captura de tela do último bolo de aniversário recebido pelo Orkut.

* * *

2. Nos seus primeiros dias, só conseguia criar um perfil no Orkut quem recebesse um convite, enviado por e-mail pelo próprio Google. Depois de algumas semanas, as pessoas que já tinham perfil receberam o direito de enviar 10 convites a amigos. Essa estratégia de lançamento despertou a curiosidade geral e fez com que o Orkut ganhasse o status de um clube fechado a poucos privilegiados. Naquela era paleozóica da internet brasileira, marcou época a comunidade “Tem mas acabou”. Criada por Nabor Leandro (pseudônimo de Ivan Siqueira), ela tinha como único objetivo reunir a quantidade, naquela época expressiva, de 100 membros. Quando a meta era atingida, a comunidade era sumariamente apagada.

Outra comunidade criada naqueles primeiros meses de Orkut no Brasil também marcou época: a “Como ou Não Como“, idealizada por Wagner Martins, o Mr. Manson. Suas regras, discriminadas na descrição da comunidade, eram simples: Continue Lendo

  1. « Página anterior
  2. Próxima página »
  3. 1
  4. 2
  5. 3
  6. 4
  7. 5
  8. 6
  9. (...)
  10. 87
Pense Nisso! Alexandre Inagaki

Alexandre Inagaki é jornalista e consultor de comunicação em mídias digitais. É japaraguaio, cínico cênico. torcedor do Guarani Futebol Clube e futuro fundador do Clube dos Procrastinadores Anônimos. Já plantou semente de feijão em algodão, criou um tamagotchi (que acabou morrendo de fome) e mantém este blog. Luta para ser considerado mais do que um rosto bonitinho e não leva a sério pessoas que falam de si mesmas na terceira pessoa.

Parceiros

Mantra

A vida é boa e cheia de possibilidades.
A vida é boa e cheia de possibilidades.
A vida é boa e cheia de possibilidades.