“Drink shame in the face”: 5 bons motivos para tomar vergonha na cara e aprender inglês

Por Publieditorialquarta-feira, 17 de dezembro de 2014

2015 já está batendo na sua porta. Já que entramos naquela típica época em que fazemos as resoluções de ano novo, que tal incluir em sua to-do list fazer com que o seu inglês supere a limitação do “the book is on the table” e permita que você possa se considerar um cidadão do mundo, conseguindo comunicar-se de modo fluente, sem precisar apelar a intérpretes ou mímicas vexaminosas para conseguir se virar mundo afora? Fora os motivos mais óbvios, como a importância imprescindível do inglês para sua ascensão profissional e pessoal, resolvi fazer um Top 5 de razões pelas quais é tão bom aprender a falar, escrever, ler e tornar-se fluente no mesmo idioma de Shakespeare, J.K. Rowling, Kanye West e Scarlett Johansson.

* * *

1. Entenda as letras de música que você ouve há anos sem ter a menor ideia do que querem dizer

Imagine que você está todo apaixonado e resolve gravar num pen drive as músicas que fazem com que você lembre da pessoa amada. Porém, por não manjar dos paranauês linguísticos, seleciona faixas que você considera legais sem ter a menor ideia do significado de suas letras. E aí, grava sucessos de bandas e cantores como Beatles, Bob Dylan e R.E.M. Em tese, está tudo bem. Até que ela ouve atentamente as músicas e se depara com Dylan cantando versos como “ah, você engana assim como uma mulher, sim, faz amor feito uma mulher, sim, e geme feito uma mulher, mas se magoa feito uma garotinha”, John Lennon falando que “preferiria te ver morta, garotinha, do que com outro homem” e Michael Stipe anunciando que “esta música é para a pessoa que deixei para atrás, um simples adereço para ocupar meu tempo”. Depois, leva um pé na bunda e não tem a menor ideia do que aconteceu.

Além de evitar falhas bizarras na comunicação, ser capaz de entender o que seus artistas favoritos cantam faz com que você compreenda melhor o que eles queriam dizer em suas composições, tornando-as muito mais claras e expressivas. Quer um ótimo exemplo? Você já atentou para a beleza dos versos iniciais de “The Sounds of Silence?”

Olá escuridão, minha velha amiga,
Vim conversar com você novamente
Porque uma visão suavemente arrepiante
Deixou suas sementes enquanto eu dormia
E a visão que foi plantada em minha mente
Ainda permanece dentro do som do silêncio

Para mim, esta música composta por Paul Simon apresenta os versos que melhor descrevem a barafunda das redes sociais (“Na luz nua eu vi dez mil pessoas, talvez mais/ Pessoas conversando sem falar/ Pessoas ouvindo sem escutar”). E apresenta estrofes rasgantes, capazes de se sustentar independendo de melodia: Continue Lendo

Você pode salvar uma vida: seja um doador de medula óssea

Por Alexandre Inagakisegunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Há várias doenças que podem ser tratadas com a doação de medula óssea, como leucemia, linfoma e imunodeficiências. Porém, apenas 30% dos pacientes que necessitam de transplante encontram um doador em sua família. Os demais precisam achar esse doador no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME). A chance de encontrar uma medula compatível é de 1 em 100.000. Para que as probabilidades de se achar um doador aumentem, é preciso aumentar a quantidade de voluntários cadastrados no REDOME. Quer ajudar a salvar uma vida? Então clique aqui para encontrar o local de cadastro para doador de medula óssea mais próximo de sua casa, e siga os passos a seguir.

Quatro passos para se tornar doador de medula óssea e salvar uma vida.

Constatei na prática como é simples participar do registro de doadores de medula óssea. Semana passada estive no Hemocentro da Santa Casa de São Paulo: em questão de menos de 20 minutos fui até a recepção, dei algumas informações pessoais e fiz um pré-exame. Foram coletados 10 ml do meu sangue (o equivalente a uma colher de sopa), que serão utilizados para a realização de um exame de compatibilidade. Ah sim: a fim de agilizar ainda mais o processo, já tinha trazido de casa, preenchido, um formulário de cadastro para doação voluntária de medula. Continue Lendo

Roberto Gómez Bolaños, o Chaves, o Chapolim Colorado (1929 – 2014)

Por Alexandre Inagakisábado, 29 de novembro de 2014

Há 30 anos o SBT exibe no Brasil os episódios de Chaves e Chapolim Colorado. E há três décadas telespectadores de várias gerações assistem com prazer esses programas, mesmo já sabendo de cor as piadas e as situações que se repetem, tais quais gifs animados, abstraindo os cenários simples e o estilo naïf da produção, graças ao humor leve e ingênuo e ao carisma daqueles adultos que se vestiam como crianças ou super-heróis desajeitados, arrancando sorrisos descompromissados e embebidos por uma certa nostalgia de tempos menos complicados.

A maior parte das esquetes que fizeram a fama de Roberto Gómez Bolaños no Brasil foi originalmente produzida nos anos 70. Porém, como retratam experiências universais desatreladas a momentos históricos e pontuais, ganharam um certo ar atemporal que fez com que os episódios de El Chapulín Colorado e El Chavo del Ocho (os títulos originais de Chapolim Colorado e Chaves) possam ser apreciados até hoje por públicos de todas as idades, tornando-se sucesso e fenômeno cultural em toda a América Latina e mais de 100 países que exibiram os humorísticos. E é por isso que, guardadas as devidas proporções, não é difícil de entender porque muitos consideram Bolaños o Chaplin latino-americano. Continue Lendo

Receitas para qualquer cara de fome #FoodNetworkBrasil

Por Publieditorialsábado, 08 de novembro de 2014

Como afirmou Cícero, o melhor tempero da comida é a fome. Imagine, pois, a cara que uma pessoa é capaz de fazer quando seu estômago começa a roncar e sua boca saliva, especialmente enquanto aguardamos a chegada do pedido de um restaurante, ou quando nosso olfato é estimulado pelos cheiros de um prato sendo preparado na cozinha, ou quando assistimos a um programa de culinária e o que vemos na tevê estimula toda uma série de sensações sinestésicas.

Comer é bom demais. Não à toa, apreciar uma boa gastronomia tornou-se sinônimo de estilo de vida. E eu, que admiro quem domina a fina arte de cozinhar (coisa que não é exatamente o meu ponto forte, como provei quando postei sobre minha especialidade gastronômica), encarei como um excelente desafio a tarefa que me foi delegada pelo Food Network Brasil: selecionar uma das receitas disponíveis no site do canal para ser preparada por mim. Continue Lendo

Apneia, o filme

Por Alexandre Inagakiquinta-feira, 06 de novembro de 2014

Thaila Ayala, Marjorie Estiano e Marisol Ribeiro em cena do filme Apneia.

São Paulo já foi retratada nos cinemas por meio de muitos bons filmes, dentre os quais meus favoritos são O Grande Momento (pequena obra-prima neo-realista de 1958, dirigida por Roberto Santos), o incrível São Paulo S/A (filmaço de 1965 de Luiz Sergio Person, com Walmor Chagas, Eva Wilma e Otelo Zeloni) e a comédia cult Fogo & Paixão (de 1988, da dupla Isay Weinfeld e Marcio Kogan), longa que talvez melhor tenha explorado as arquiteturas singulares desta metrópole. No entanto, é uma cidade que não é tão explorada quanto poderia ser na tela grande. Foi ótimo constatar, pois, que Apneia, o belo longa-metragem de estreia de Mauricio Eça – diretor habituado a mostrar SP em videoclipes como “Diário de um Detento” (Racionais MCs) e “Regina Let’s Go” (CPM 22) -, narra uma história urbana atual e relevante. Continue Lendo

Dez notinhas sobre as eleições

Por Henrique Abelquinta-feira, 23 de outubro de 2014

1 – Se você se acha muito consciente e bem informado por ser antipetista, saiba que você é vítima de uma ilusão autolisonjeira. Grande parte dos antipetistas ferrenhos acredita em bobagens e defende besteiras capazes de ser refutadas por dez minutos de estudo sério de história, economia e ciências sociais;

2 – Se você se acha muito consciente e bem informado por ser petista, saiba que você é vítima de uma ilusão autolisonjeira. Grande parte dos petistas ferrenhos acredita em bobagens e defende besteiras capazes de ser refutadas por dez minutos de estudo sério de história, economia e ciências sociais;

3 – Nenhum dos dois partidos que disputam a Presidência da República possui um bom histórico no que diz respeito à ética na política e a corrupção. Você pode tentar convencer a si e aos outros de que está votando em um deles “para combater a corrupção”, mas infelizmente os fatos não corroboram com a sua crença e o mais provável é que você esteja usando essa bandeira para justificar uma postura ideológica que você tem por razões bem diversas; Continue Lendo

Um vídeo que resume o espírito dos anos 90

Por Alexandre Inagakiterça-feira, 23 de setembro de 2014

rachelchandler

Em 1995, você não aguentava mais ouvir “Have You Ever Really Loved A Woman”, de Bryan Adams, tocando nas rádios. Mas a competição era dura com pagodes de sucesso como “Lá Vem o Negão” e “Marrom Bombom”. Se você estivesse numa danceteria, provavelmente estaria embalado por hits como “The Rhythm Of The Night” ou “Boombastic” (ou dançando na boquinha da garrafa, dependendo do lugar). Mas, ao menos em termos musicais, tudo o mais seria eclipsado a partir do momento em que alguns garotos de Guarulhos chegaram a bordo de uma Brasília amarela e a febre dos Mamonas Assassinas assolou o país. 1995, a propósito, também foi o ano de nascimento de Marina Ruy Barbosa e Bruna Marquezine. E, sim, eu notei que apareceram alguns cabelos brancos em suas madeixas quando você leu isso. Continue Lendo

  1. « Página anterior
  2. Próxima página »
  3. 1
  4. 2
  5. 3
  6. 4
  7. 5
  8. (...)
  9. 88
Pense Nisso! Alexandre Inagaki

Alexandre Inagaki é jornalista e consultor de comunicação em mídias digitais. É japaraguaio, cínico cênico. torcedor do Guarani Futebol Clube e futuro fundador do Clube dos Procrastinadores Anônimos. Já plantou semente de feijão em algodão, criou um tamagotchi (que acabou morrendo de fome) e mantém este blog. Luta para ser considerado mais do que um rosto bonitinho e não leva a sério pessoas que falam de si mesmas na terceira pessoa.

Parceiros

Mantra

A vida é boa e cheia de possibilidades.
A vida é boa e cheia de possibilidades.
A vida é boa e cheia de possibilidades.