“Sangue Negro” e “Onde os Fracos Não Têm Vez”

Por Alexandre Inagakidomingo, 24 de fevereiro de 2008

Foi ótimo constatar que os dois filmes com mais indicações ao Oscar deste ano são obras densas, sem concessões às platéias. Não à toa, tanto ao fim das sessões de Sangue Negro, de Paul Thomas Anderson, quanto de Onde os Fracos Não Têm Vez, dos irmãos Joel e Ethan Coen, pude ouvir gente reclamando dos filmes. Não há terra para homens velhos, nem finais felizes para espectadores mimados.

* * * * *

I drink your milkshake!As cenas iniciais de There Will Be Blood mostram Daniel Plainview (Daniel Day-Lewis) cavoucando poços no meio do deserto norte-americano em busca de petróleo. Para saber se há indícios do óleo negro, Plainview cospe nas pedras do poço a fim de tentar ver sinais de minerais. Da saliva ao sangue dos operários que morrem nos poços de petróleo, paulatinamente imergimos na saga de um misantropo que enriquecerá na mesma medida em que terá seu espírito embrutecido. Tratado ambicioso sobre ganância, Sangue Negro justaposta interesses financeiros e religiosos na figura de dois personagens com sobrenomes simbólicos: Daniel Plainview e o pastor Eli Sunday (Paul Dano), homens que dedicam suas vidas a missões completamente alheias ao restante da humanidade. Continue Lendo

Primeiro aniversário do InterNey Blogs

Por Alexandre Inagakisexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Primeiro aniversário de InterNey Blogs!

Há um ano entrou no ar o primeiro portal profissional de blogs do Brasil. Desde então, muito se escreveu sobre nossa iniciativa, outros projetos reunindo blogueiros como Nossa Via, Blogamos e HiTech Live surgiram e novos blogs têm sido agregados ao nosso portal. Que muito mais iniciativas surjam e que a blogosfera brasileira prossiga se desenvolvendo, seja dando voz a nomes como o policial militar Alexandre de Sousa, o taxista Mauro Castro, a dona de casa Odele Souza ou a equipe de jornalistas investigativos do PE Body Count, seja pela organização de postagens coletivas que abordam assuntos caros à nossa sociedade, como fazem os Amigos da Blogosfera. Porque não é através de polêmicas, e sim por meio de propostas sérias que os blogs brasileiros evidenciam seu cristalino processo de crescimento, amadurecimento e paulatina profissionalização.

Creio que posso falar em nome de todos do InterNey Blogs ao afirmar: a gente está apenas começando. ;)

* * * * *

P.S. 1: Marmota descreve com precisão mãedinahzística como será a festa de 10 anos do InterNey Blogs. Gostei em especial do trecho do helicóptero. B)

P.S. 2: Obrigado a todos que participaram da promoção Cloverfield! Quem ganhou o par de ingressos para assistir ao filme foi o leitor Demas, que parafraseou o lema do Cinema Novo cunhado por Glauber Rocha ao sugerir o título “Cloverfield – Uma Câmera na Mão e um Monstro na Cabeça”. E a leitora Samara Horta, por ter dado a bem sacada sugestão “Sayonara New York”, fez por merecer um prêmio extra: um kit Pensar Enlouquece. Peço a ambos para que entrem em contato comigo enviando suas coordenadas geográficas para inagaki2@gmail.com.

Do tempo em que Michael Jackson era negro e fazia boas músicas

Por Alexandre Inagakiquarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Uma das imagens mais marcantes da minha infância é exibida aos 3 minutos e 41 segundos do vídeo abaixo: o momento em que Michael Jackson apresentou pela primeira vez ao mundo o passo de dança que marcou toda uma geração, o moonwalk, enquanto apresentava seu sucesso “Billie Jean”. Uma música cujo nome, se dependesse da vontade de Quincy Jones, produtor de Michael, teria sido “Not My Lover”.
[dm]xmcdg[/dm]
Esta apresentação histórica foi gravada no dia 25 de março de 1983, fez parte de um especial para a TV intitulado “Motown 25: Yesterday, Today, Forever” e foi exibida várias vezes no Fantástico, programa no qual ouvi pela primeira vez um gênio da música pop que compôs e gravou em 1982 sua obra-prima: Thriller. Segundo a gravadora de Michael, a Sony/BMG, o álbum vendeu até hoje mais de 105 milhões de cópias. Só aqui no Brasil foram mais de 2 milhões de discos, dentre os quais colaborei com a aquisição daquela que foi a primeira fita K-7 que tive na vida, na época em que ainda se vendiam cassetes.
Capa da edição especial de 25 anos de Thriller.
Hoje é o dia em que a edição comemorativa dos 25 anos do lançamento de Thriller chegou às lojas brasileiras. Mais uma constatação de que, pfuf, inequivocadamente envelheço. :| E pensar que, há um quarto de século, Michael Jackson ainda não tinha desbotadas nem a sua pele, nem a sua alma musical. Ele foi o primeiro artista negro a ter seus clipes exibidos em alta rotação na MTV americana. Graças à sua obra-prima, vendeu 27 milhões de cópias só nos Estados Unidos, recebeu disco de platina ou diamante em 16 países, levou oito prêmios Grammy para casa (embora um dos Grammys que ganhou em 1984 tenha sido por sua participação no audiobook do filme E.T., de Steven Spielberg) e emplacou sete de suas nove faixas na parada da Billboard. Além de tudo isso, Michael revolucionou a arte dos vídeos musicais com “Thriller”, praticamente um curta-metragem de 14 minutos de duração dirigido pelo cineasta John Landis, orçado em cerca de 800 mil dólares, e cuja coreografia de zumbis influencia a cultura pop até hoje, inspirando performances em filmes, festas de casamento e penitenciárias filipinas.
Capa miguxa do relançamento de Thriller feito em 2001.A edição do 25° aniversário de Thriller não foi o primeiro relançamento da obra-prima do irmão da Janet. Em 2001, o álbum já havia ganhado uma reedição com bonus tracks como “Carousel” e “Someone in the Dark”, faixas não aproveitadas originalmente, além de ter recebido uma nova capa na qual Michael aparece em uma pose esquisitona ao lado de um dos seus bichinhos de estimação. Já o Thriller 25 Anos apresenta como grandes novidades remixagens de faixas como “Wanna Be Startin’ Somethin'” e “Beat It” produzidas por nomes como Kanye West, Akon e Will.i.am, além da música inédita “For All Time”.
Será que Michael Jackson conseguirá aproveitar a ocasião para reerguer uma carreira abalada por acusações de pedofilia e comportamentos pra lá de excêntricos? É o que veremos quando Mr. Jacko lançar seu novo álbum de inéditas, no qual está trabalhando desde março de 2006, e que eu espero que não tarde tanto quanto Chinese Democracy, disco que os Guns N’Roses (ou melhor dizendo, Axl Rose e alguns roqueiros desgarrados) estão gravando desde, acreditem se puder, 1994. Quem viver verá. Ou não.

* * * * *

P.S.: Por ocasião da morte de Michael Jackson, escrevi um texto novo no portal MTV: Michael Jackson, a síndrome de Peter Pan e o museu de grandes novidades.

Cloverfield, o terror em primeira pessoa

Por Alexandre Inagakiterça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Nesta que é a semana que antecede a cerimônia do Oscar, estou fazendo uma maratona cinéfila a fim de tentar assistir a todos os principais indicados. Porém, faço um parênteses para escrever sobre um possível indicado aos prêmios de 2009: Cloverfield – Monstro. Um filme que é a representação cinematográfica das mesmas sensações que tomam conta de um incauto andando em um carrinho de montanha-russa: olhares tremidos, vertigens constantes e um certo sentimento de satisfação masoquista ao final do trajeto.

O filme mostra o que aconteceria se a cidade de Nova Iorque fosse atacada por um monstro digno daqueles que destroçavam as construções de Sim City. Porém, esqueça ameaças como King Kong, Godzilla ou George W. Bush: trata-se de algo muito mais arrasador. A grande sacada deste blockbuster dirigido por Matt Reeves e produzido por J.J. “Lost” Abrams está no modo como a trama é exibida: através da câmera de vídeo na mão de um dos personagens que corre destrambelhadamente pelos destroços da “Big Apple”.

O escalpo da Estátua da Liberdade em Cloverfield.O roteiro, acertadamente, não busca dar explicações pseudo-científicas para o surgimento do monstrengo. Ele simplesmente está lá, e você tem que se virar pra conseguir escapar vivo dessa. Outro ponto eficiente é a maneira como são apresentados ao espectador os personagens do filme, um grupo de amigos reunidos para a festa de despedida de Rob, que viajaria para assumir a vice-presidência de uma empresa no Japão, terra natal do Godzilla. As imagens da festa são gravadas em cima de uma fita com registros antigos de Rob ao lado de Beth, seu grande caso de amor mal resolvido, e por meio desse artifício narrativo o espectador passa a saber de informações que serão utilizadas adiante com o devido impacto dramático. A partir do momento em que o monstro começa a tocar o terror em Nova Iorque (na companhia de “amiguinhos” menores que dão o ar de sua desgraça na seqüência do metrô), a câmera passa a registrar a angústia esbaforida dos personagens em fuga, enquanto imagens entrecortadas do bicho são vistas apenas de relance em um e outro enquadramento tremido. E aí está outro mérito da direção e roteiro de Cloverfield: entender que sugerir é um ato muito mais instigante do que escancarar.

Uma das cenas mais significativas de todo o filme é a seqüência na qual a cabeça da Estátua da Liberdade é arremessada pelo monstro, vai parar no meio de uma rua e é logo cercada por diversos transeuntes que começam a filmá-la e fotografá-la com seus celulares e câmeras digitais: Cloverfield é o típico produto de uma era de produtores de conteúdo que não estão mais satisfeitos em ver um acontecimento diante de seus olhos: eles desejam registrar seus pontos de vista fazendo fotos, vídeos, posts.

Não perca tempo questionando a inverossimilhança de uma câmera digital cuja bateria é mais resistente que coelhinho da Duracell ou o estômago do Jack Bauer que em 24 horas nunca para pra tomar um lanche sequer. Cloverfield é um filme angustiantemente divertido, que reflete o zeitgeist desta época na qual registramos nossas lembranças através do suporte de smartphones e câmeras digitais. Produto típico desta era de convergência de mídias, não à toa foi precedido por uma campanha viral na qual cada imagem de seus trailers foi analisada por espectadores que congelaram frames e criaram blogs expondo suas teorias a respeito do filme.

Encontrei na Web vídeos que analisam o áudio quase ininteligível que surge após o final dos créditos e um objeto que cai no mar em determinada cena do filme. Mas só recomendo que você clique nesses links após ter assistido a Cloverfield. Que, ao lado da estupenda produção coreana O Hospedeiro, de Bong Joon-ho (IMHO, o melhor filme de 2007), faz com que eu seja obrigado a dizer que o gênero “filme-de-monstro” nunca esteve tão revigorado e criativo.

* * * * *

P.S. 1: Tenho um par de ingressos do filme dando sopa por aqui. Se você quiser assisti-lo de graça com direito a acompanhante (afinal de contas, sessão de cinema fica mais bacana quando você tem alguém com quem compartilhar os sustos e impressões), deixe um comentário neste post dando um novo título em português para Cloverfield – Monstro. Todos os comentários dando sugestões de nomes só serão liberados para publicação na meia-noite desta sexta-feira, dia 22, quando também divulgarei o nome do vencedor de acordo com a comissão julgadora deste blog (leia-se: eu). Em tempo: os ingressos que tenho aqui são válidos em qualquer cinema localizado no território brasileiro, de segunda a quinta, exceto no Cinemark do Shopping Iguatemi em Sampa City e nas salas do Grupo Estação.

P.S. 2: Locutório, Roda Presa e Saloma do Blog, sejam bem-vindos ao InterNey Blogs!

Campus Party – Blogueiros x Jornalistas, o falso embate

Por Alexandre Inagakisábado, 16 de fevereiro de 2008

Blog é liberdade. Ninguém a não ser você tem o direito de interferir nas suas pautas, no tamanho dos seus textos, na freqüência de atualizações e principalmente nas suas opiniões. Seu blog é a sua TV Globo, a sua Folha de S. Paulo, a sua Reuters pessoal.

Minha profissão oficial é de jornalista. Escrevi textos para publicações da Editora Abril e jornais tradicionais como o Correio Braziliense, e atualmente faço free-lancers para veículos como a Rolling Stone Brasil e o Itaú Cultural. Na condição de profissional contratado, é mais do que natural que eu me submeta a determinadas regras, entregando meus textos dentro de prazos pré-definidos e respeitando a limitação de caracteres. Faço entrevistas, saio à rua para buscar informações, procuro apurar cada dado que é impresso na matéria. Continue Lendo

  1. « Página anterior
  2. Próxima página »
  3. 1
  4. (...)
  5. 71
  6. 72
  7. 73
  8. 74
  9. 75
  10. (...)
  11. 131
Pense Nisso! Alexandre Inagaki

Alexandre Inagaki é jornalista e consultor de comunicação em mídias digitais. É japaraguaio, cínico cênico. torcedor do Guarani Futebol Clube e futuro fundador do Clube dos Procrastinadores Anônimos. Já plantou semente de feijão em algodão, criou um tamagotchi (que acabou morrendo de fome) e mantém este blog. Luta para ser considerado mais do que um rosto bonitinho e não leva a sério pessoas que falam de si mesmas na terceira pessoa.

Parceiros

Mantra

A vida é boa e cheia de possibilidades.
A vida é boa e cheia de possibilidades.
A vida é boa e cheia de possibilidades.