Poesia numa hora dessas?

Por Alexandre Inagakiquinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Quando comecei a navegar pela internet, em meados de 1997, a primeira coisa que fiz foi tentar encontrar pessoas que compartilhassem dos mesmos interesses que possuo. Inscrevi-me, por exemplo, em fóruns e listas de discussão que falavam de Arquivo X, cinema brasileiro e quadrinhos em geral. Na época, eu ainda não havia abandonado o curso de Letras da USP e nutria em silêncio o sonho de um dia me tornar um escritor reconhecido, daqueles que lançavam anualmente best-sellers e freqüentavam a lista dos mais vendidos da Veja quando ela ainda merecia respeito.

Citando as palavras de Luis Fernando Veríssimo: poesia numa hora dessas?!Data desses tempos a época em que participei de uma lista de discussões intitulada “Escritas”, reunindo poetas inéditos que trocavam entre si mensagens com críticas, observações e versos das mais variadas métricas, formas e gêneros, num ambiente no qual a internet era como sempre deveria ser: um ponto de encontro online no qual conhecimentos são generosamente compartilhados. Por meio de listas como a “Escritas”, li pela primeira vez autores como Orlando Tosetto Junior, Lau Siqueira, Fred Matos, Maria Frô, Daniel Francoy, José Félix, AL-Chaer, Tatiana “Sweethell” Leão, Sara Fazib e Alyuska Lins, que vocês talvez não conheçam porque infelizmente o mercado editorial brasileiro nem sempre contempla os melhores escritores, em especial aqueles que se dedicam a versos. Ainda mais em um país estranho como o nosso, no qual há mais “poetas” (com ênfase nas aspas) do que leitores de poesia, e são raras as pessoas que dominam a arte da metrificação, têm noção do ritmo compassado das redondilhas ou são capazes de distinguir sonetos ingleses de sonetos italianos.

Eu, que há tempos abandonei a ilusão de virar um grande autor, deixei arquivado um livro de poesias intitulado Aprendizado – Rascunhos Definitivos, que está devidamente guardado na adega da minha gaveta até que o vinho um dia revele sua condição de mero vinagre. De vez em quando sucumbo à tentação de publicar alguns versos só para constatar que poesia definitivamente não dá ibope, vide os escassos comentários a poemas meus como “Sete Faces”, “Língua” e “Futebol”. Menos mal que atualmente me dedico a atividades capazes de garantir o meu nome fora do SPC e do Serasa, destinando o ofício da poesia a escribas mais qualificados. Contudo, quando recebi e-mails de antigos colegas da lista “Escritas” relatando a criação do blog coletivo Poetas Lusófonos com o intuito de reunir novamente amigos virtuais que se conheceram há mais de uma década, não pude deixar de resgatar certas lembranças. Para não deixar este post sem um verso sequer, segue abaixo um poema que escrevi há mais de oito anos. Ocasionalmente sinto saudades daqueles tempos em quis me tornar um escritor.

* * * * *

O Código Secreto das Estrelas

Leio nas entrelinhas do teu sorriso
rumores, canções que falam em pássaros.
Teus passos soletram pelas calçadas
sussurros de sombras por entre pétalas secas.

Falo de sonhos como quem tange nuvens,
galáxias, sintaxes de sons de estradas,
enquanto o tempo risca no vidro da memória
confusas lembranças que sibilam ferozes.

Hoje sei que tudo passa, embora ainda durma
com olhos de vigília e perfumes apócrifos.
Recordo com gosto agridoce de espelhos
na boca tua pele, teu sexo, teus olhos.

O tempo é turvo. O tempo é turvo.
Mastiga utopias, cospe sementes de névoa,
esparge fagulhas de luz no passado
– brinquedo imberbe nas mãos do acaso.

Mas não quero mais ser racional.
Deitado dentro de mim, hoje evoco
o momento único em que te encontrei,
e já começava a te perder.

* * * * *

P.S. 1: Peguei emprestados o título e a ilustração deste post de um livro de Luis Fernando Veríssimo.

P.S. 2: Eis a minha lista de dez poemas que recomendo a qualquer um que se interesse por versos realmente bons: “Tabacaria” (Fernando Pessoa), “em algum lugar onde nunca estive” (e. e. cummings), “A Casada Infiel” (Federico Garcia Lorca), “A Canção de Amor de J. Alfred Prufrock” (T. S. Eliot), “Áporo” (Carlos Drummond de Andrade), “A Sierguéi Iessiênin” (Vladimir Maiakóvski), “O Tygre” (William Blake), “Balada (em memória de um poeta suicida)” (Mário Faustino), “Janelas Altas” (Philip Larkin) e “Uma Faca Só Lâmina” (João Cabral de Melo Neto).

Como curar um coração partido através da música?

Por Alexandre Inagakiterça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Acabei de assistir, pela enésima vez, a uma reprise de Um Lugar Chamado Notting Hill que encontrei por acaso na TV. Como bem escreveu Rafael Galvão em um texto impecável, é o típico filme que pessoas têm vergonha de admitir publicamente que apreciam. Afinal de contas, somos uma geração de cínicos cênicos, e Notting Hill é uma comédia romântica que não tem o menor pudor em assumir um sentimentalismo atávico, quase fora de moda. Porém, confesso que adoro a cena em que Anna Scott, a personagem de Julia Roberts declara-se para o livreiro interpretado por Hugh Grant, dizendo: “Sou apenas uma garota, parada na frente de um rapaz, pedindo a ele que a ame”. Para mim, é um dos mais belos diálogos que já vi em uma tela de cinema.

Mas tergiverso, tergiverso. Na verdade, escrevo porque graças a essa reprise de Notting Hill lembrei daquela que talvez seja a mais apropriada trilha sonora para pessoas que estão no fundo do fundo do fundo da fossa, imersas no inferno que é tentar superar o fim de um relacionamento, torturadas porque não têm a menor idéia de como fazer para esquecer um amor que acabou. A música é “How Can You Mend a Broken Heart?”, composta pelos Bee Gees. No filme, é aproveitada a maravilhosa regravação de Al Green, cuja voz realça a dor de seus angustiados versos: “How can you mend a broken heart?/ How can you stop the rain from falling down?/ How can you stop the sun from shining?/ What makes the world go round?”. Neste post, ouçam-na na matadora versão ao vivo no programa de Jools Holland. Continue Lendo

“Sangue Negro” e “Onde os Fracos Não Têm Vez”

Por Alexandre Inagakidomingo, 24 de fevereiro de 2008

Foi ótimo constatar que os dois filmes com mais indicações ao Oscar deste ano são obras densas, sem concessões às platéias. Não à toa, tanto ao fim das sessões de Sangue Negro, de Paul Thomas Anderson, quanto de Onde os Fracos Não Têm Vez, dos irmãos Joel e Ethan Coen, pude ouvir gente reclamando dos filmes. Não há terra para homens velhos, nem finais felizes para espectadores mimados.

* * * * *

I drink your milkshake!As cenas iniciais de There Will Be Blood mostram Daniel Plainview (Daniel Day-Lewis) cavoucando poços no meio do deserto norte-americano em busca de petróleo. Para saber se há indícios do óleo negro, Plainview cospe nas pedras do poço a fim de tentar ver sinais de minerais. Da saliva ao sangue dos operários que morrem nos poços de petróleo, paulatinamente imergimos na saga de um misantropo que enriquecerá na mesma medida em que terá seu espírito embrutecido. Tratado ambicioso sobre ganância, Sangue Negro justaposta interesses financeiros e religiosos na figura de dois personagens com sobrenomes simbólicos: Daniel Plainview e o pastor Eli Sunday (Paul Dano), homens que dedicam suas vidas a missões completamente alheias ao restante da humanidade. Continue Lendo

Primeiro aniversário do InterNey Blogs

Por Alexandre Inagakisexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Primeiro aniversário de InterNey Blogs!

Há um ano entrou no ar o primeiro portal profissional de blogs do Brasil. Desde então, muito se escreveu sobre nossa iniciativa, outros projetos reunindo blogueiros como Nossa Via, Blogamos e HiTech Live surgiram e novos blogs têm sido agregados ao nosso portal. Que muito mais iniciativas surjam e que a blogosfera brasileira prossiga se desenvolvendo, seja dando voz a nomes como o policial militar Alexandre de Sousa, o taxista Mauro Castro, a dona de casa Odele Souza ou a equipe de jornalistas investigativos do PE Body Count, seja pela organização de postagens coletivas que abordam assuntos caros à nossa sociedade, como fazem os Amigos da Blogosfera. Porque não é através de polêmicas, e sim por meio de propostas sérias que os blogs brasileiros evidenciam seu cristalino processo de crescimento, amadurecimento e paulatina profissionalização.

Creio que posso falar em nome de todos do InterNey Blogs ao afirmar: a gente está apenas começando. ;)

* * * * *

P.S. 1: Marmota descreve com precisão mãedinahzística como será a festa de 10 anos do InterNey Blogs. Gostei em especial do trecho do helicóptero. B)

P.S. 2: Obrigado a todos que participaram da promoção Cloverfield! Quem ganhou o par de ingressos para assistir ao filme foi o leitor Demas, que parafraseou o lema do Cinema Novo cunhado por Glauber Rocha ao sugerir o título “Cloverfield – Uma Câmera na Mão e um Monstro na Cabeça”. E a leitora Samara Horta, por ter dado a bem sacada sugestão “Sayonara New York”, fez por merecer um prêmio extra: um kit Pensar Enlouquece. Peço a ambos para que entrem em contato comigo enviando suas coordenadas geográficas para inagaki2@gmail.com.

Do tempo em que Michael Jackson era negro e fazia boas músicas

Por Alexandre Inagakiquarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Uma das imagens mais marcantes da minha infância é exibida aos 3 minutos e 41 segundos do vídeo abaixo: o momento em que Michael Jackson apresentou pela primeira vez ao mundo o passo de dança que marcou toda uma geração, o moonwalk, enquanto apresentava seu sucesso “Billie Jean”. Uma música cujo nome, se dependesse da vontade de Quincy Jones, produtor de Michael, teria sido “Not My Lover”.
[dm]xmcdg[/dm]
Esta apresentação histórica foi gravada no dia 25 de março de 1983, fez parte de um especial para a TV intitulado “Motown 25: Yesterday, Today, Forever” e foi exibida várias vezes no Fantástico, programa no qual ouvi pela primeira vez um gênio da música pop que compôs e gravou em 1982 sua obra-prima: Thriller. Segundo a gravadora de Michael, a Sony/BMG, o álbum vendeu até hoje mais de 105 milhões de cópias. Só aqui no Brasil foram mais de 2 milhões de discos, dentre os quais colaborei com a aquisição daquela que foi a primeira fita K-7 que tive na vida, na época em que ainda se vendiam cassetes.
Capa da edição especial de 25 anos de Thriller.
Hoje é o dia em que a edição comemorativa dos 25 anos do lançamento de Thriller chegou às lojas brasileiras. Mais uma constatação de que, pfuf, inequivocadamente envelheço. :| E pensar que, há um quarto de século, Michael Jackson ainda não tinha desbotadas nem a sua pele, nem a sua alma musical. Ele foi o primeiro artista negro a ter seus clipes exibidos em alta rotação na MTV americana. Graças à sua obra-prima, vendeu 27 milhões de cópias só nos Estados Unidos, recebeu disco de platina ou diamante em 16 países, levou oito prêmios Grammy para casa (embora um dos Grammys que ganhou em 1984 tenha sido por sua participação no audiobook do filme E.T., de Steven Spielberg) e emplacou sete de suas nove faixas na parada da Billboard. Além de tudo isso, Michael revolucionou a arte dos vídeos musicais com “Thriller”, praticamente um curta-metragem de 14 minutos de duração dirigido pelo cineasta John Landis, orçado em cerca de 800 mil dólares, e cuja coreografia de zumbis influencia a cultura pop até hoje, inspirando performances em filmes, festas de casamento e penitenciárias filipinas.
Capa miguxa do relançamento de Thriller feito em 2001.A edição do 25° aniversário de Thriller não foi o primeiro relançamento da obra-prima do irmão da Janet. Em 2001, o álbum já havia ganhado uma reedição com bonus tracks como “Carousel” e “Someone in the Dark”, faixas não aproveitadas originalmente, além de ter recebido uma nova capa na qual Michael aparece em uma pose esquisitona ao lado de um dos seus bichinhos de estimação. Já o Thriller 25 Anos apresenta como grandes novidades remixagens de faixas como “Wanna Be Startin’ Somethin'” e “Beat It” produzidas por nomes como Kanye West, Akon e Will.i.am, além da música inédita “For All Time”.
Será que Michael Jackson conseguirá aproveitar a ocasião para reerguer uma carreira abalada por acusações de pedofilia e comportamentos pra lá de excêntricos? É o que veremos quando Mr. Jacko lançar seu novo álbum de inéditas, no qual está trabalhando desde março de 2006, e que eu espero que não tarde tanto quanto Chinese Democracy, disco que os Guns N’Roses (ou melhor dizendo, Axl Rose e alguns roqueiros desgarrados) estão gravando desde, acreditem se puder, 1994. Quem viver verá. Ou não.

* * * * *

P.S.: Por ocasião da morte de Michael Jackson, escrevi um texto novo no portal MTV: Michael Jackson, a síndrome de Peter Pan e o museu de grandes novidades.

  1. « Página anterior
  2. Próxima página »
  3. 1
  4. (...)
  5. 71
  6. 72
  7. 73
  8. 74
  9. 75
  10. (...)
  11. 131
Pense Nisso! Alexandre Inagaki

Alexandre Inagaki é jornalista e consultor de comunicação em mídias digitais. É japaraguaio, cínico cênico. torcedor do Guarani Futebol Clube e futuro fundador do Clube dos Procrastinadores Anônimos. Já plantou semente de feijão em algodão, criou um tamagotchi (que acabou morrendo de fome) e mantém este blog. Luta para ser considerado mais do que um rosto bonitinho e não leva a sério pessoas que falam de si mesmas na terceira pessoa.

Trilha Sonora



Parceiros

Mantra

A vida é boa e cheia de possibilidades.
A vida é boa e cheia de possibilidades.
A vida é boa e cheia de possibilidades.